Previdência privada ou tesouro direto: qual a melhor opção?

A estabilidade financeira é o sonho de qualquer pessoa. Nesse sentido, surgem alternativas de investimento por meio da previdência privada ou Tesouro Direto. Elas podem oferecer rentabilidade de médio e longo prazo, caso esse seja o objetivo do investidor.

Assim, você protege o dinheiro que recebe atualmente de gastos desnecessários e colhe os frutos daqui a uns anos. Contudo, a baixa educação financeira e a alta cultura imediatista podem atrapalhar os seus planos. Afinal, você tende a ser mais incentivado a gastar para sentir prazeres momentâneos do que poupar para ter segurança financeira futuramente.

Diante disso, conhecer desde já investimentos da previdência privada ou Tesouro Direto é fundamental para evitar problemas como esses. Continue a leitura e saiba mais sobre essas modalidades!

O que é o Tesouro Direto?

O Tesouro Direto é uma plataforma virtual desenvolvida pelo Governo Federal em 2002 para que qualquer pessoa pudesse emprestar dinheiro ao Estado. Isso porque os empréstimos podem ser efetuados a partir de R$ 30 e totalmente online.

E ainda, não é necessário ter conhecimentos tão aprofundados do mercado financeiro, se comparados a outras modalidades. Logo, os títulos públicos ganham mais investidores, facilitando o financiamento de atividades governamentais, como o custeio na saúde, educação, segurança etc.

Características

Existem algumas características do Tesouro Direto que podem torná-lo uma opção atrativa para investidores iniciantes. Acompanhe as principais delas!

Alta liquidez

A liquidez corresponde a capacidade de um investimento ser convertido em dinheiro para que o investidor efetue o saque. Ou seja, o Tesouro Direto possibilita que isso ocorra rapidamente, caso necessário.

Contudo, é sempre recomendado solicitar o valor investido apenas na data de vencimento, para evitar que o dinheiro se desvalorize. Nesse sentido, títulos do Tesouro Direto com prazo de validade mais extenso, como 2045 ou 2055, podem ser mais atrativos.

Isso devido as taxas serem maiores, o que torna essa opção interessante para quem quer o retorno a longo prazo. Ou seja, o dinheiro que você emprestou para o Governo Federal será devolvido com juros mais altos, o que eleva a rentabilidade.

Baixa instabilidade

Na plataforma do Tesouro Direto é possível investir em três modalidades de título público: Tesouro IPCA, Tesouro Prefixado e Tesouro Selic. Ao escolher a última, o seu dinheiro também é pouco afetado pelas oscilações do mercado. É o caso da guerra entre a Rússia e a Ucrânia, por exemplo.

Se você investir na primeira modalidade, o Tesouro IPCA, o seu investimento fica acima da inflação. Isso protege o dinheiro e evita que o resgate seja negativo. Para isso, é preciso que o resgate ocorra apenas na data de vencimento, que também deve ser de longo prazo. Logo, investir no Tesouro IPCA pode ser atrativo para quem almeja uma aposentadoria de qualidade.

Segurança

O investimento por meio do Tesouro Direto é um dos mais seguros que existem. Isso porque ele é assegurado pelo Tesouro Nacional. Assim, o retorno do dinheiro investido é considerado uma dívida pública, o que exigiria uma crise financeira extrema para não ser quitada.

O que é a previdência privada?

A previdência privada é uma modalidade de investimento independente do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Como o próprio nome sugere, ela é oferecida por empresas privadas, como bancos, seguradoras e corretoras.

Então, o interessado precisa pagar periodicamente ou de uma única vez o valor que almeja investir, para retorno de longo prazo. Quando o momento chegar, o valor depositado nessa modalidade será acrescido com juros. Essa é uma opção para substituir ou complementar a aposentadoria da previdência social.

Características

Conhecer as características da previdência privada é útil para entender se essa alternativa se associa aos seus objetivos e perfil. Logo, continue a leitura!

Abatimento do Imposto de Renda (IR)

Investidores da previdência privada tem duas planos à disposição: Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) ou Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL). O primeiro pode oferecer descontos de até 12% no IR todos os anos. Esse valor abatido pode ser revertido no investimento, o que deve elevar a sua rentabilidade.

Por outro lado, o VGBL não realiza o abatimento do IR. Porém, a vantagem é que, ao resgatar o investimento, o imposto só incide no rendimento, não no valor total. Outra característica da previdência privada é a menor alíquota do mercado, que pode chegar a 10% no longo prazo. Isso significa que o valor do tributo sobre o investimento será menor.

Versatilidade

Existem diferentes planos na previdência privada, o que pode contemplar diferentes perfis de investidores e objetivos de investimentos. Por exemplo, se você tem menor tolerância a risco, o plano de previdência com renda fixa pode ser mais atrativo.

Por outro lado, existem aqueles com perfil disposto a arriscar, desde que aumente as chances de maior rentabilidade. Nesse caso, planos de previdência de multimercado, por exemplo, costumam ser os preferidos.

Estes diversificam o investimento em renda fixa e renda variável, conforme as regras previamente definidas, que dependem dos objetivos de cada um. Seja como for, a rentabilidade é imprevisível.

Riscos e rentabilidade

Os riscos oferecidos na previdência privada variam segundo o plano escolhido, mas existem opções mais seguras, para os interessados. Assim, a rentabilidade também pode ser maior ou menor. No entanto, como a proposta é que o resgate ocorra longo prazo, o prolongamento do investimento deve elevar a rentabilidade.

Qual investimento é melhor: Tesouro Direto ou previdência privada?

Como foi possível notar, Tesou Direto e previdência privada são modalidades de investimento atrativas para o resgate de longo prazo. Se precisar fazer uma única escolha, considere que quanto maior o prazo de resgate, a previdência privada oferece menos tributos, elevando a rentabilidade.

Porém, o seu investimento pode não exigir um prazo tão longo. Junto com isso, você pode precisar resgatá-lo no curto prazo. Nesse caso, o Tesouro Direto tende a ser a melhor alternativa, já que ele apresenta alta liquidez.

De qualquer maneira, não é necessário escolher entre previdência privada ou Tesouro Direto. Se possível, considere investir nas duas modalidades. Assim, você equilibra as vantagens e as desvantagens de cada um. Para isso, considere seu perfil de investidor e objetivos financeiros.

O nosso post ajudou você a tirar suas dúvidas sobre Tesouro Direto ou previdência privada? Curta nossa página no Facebook para continuar de olho nas atualizações!

Você também pode se interessar por:

Abra sua conta online e grátis