Resumo da semana: PIB do Brasil e volta do PIS/Cofins

Resumo da semana
Resumo da semana

A última semana de fevereiro, que também foi a primeira semana de março, de longe foi tão intensa quanto o mês passado completo. Confira tudo o que movimentou o mundo dos investimentos no resumo da semana dos dias 27 de fevereiro a 3 de março.

Resumo da semana: o mercado financeiro na palma da sua mão

Segunda-feira

FOCUS

As projeções de inflação para 2023, 2025 e 2026 foram mantidas em alta pelo analistas do mercado financeiro nesta semana, mas a de 2024 ficou estável, de acordo com dados divulgados nesta segunda-feira (27) no Relatório Focus, do Banco Central. A expectativa para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para este ano subiu de 5,89% para 5,90%, na 11ª semana seguida de elevação.

Confira tudo o que movimentou o mundo dos investimentos no resumo da semana dos dias 27 de fevereiro a 3 de março.

Banco Central

BC: Volume de créditos do sistema financeiro nacional (SFN) para empresas diminui em janeiro, mas sobe para as famílias em relação ao mês anterior. O saldo do crédito do SFN alcançou R$ 5,3 trilhões em janeiro, redução de 0,3% no mês de janeiro, de acordo com dados divulgados pelo Banco Central nesta segunda (27). O volume de crédito para as empresas diminuiu 2,4% ao totalizar R$ 2,1 trilhões, enquanto para as famílias houve crescimento de 1,1%, atingindo R$ 3,2 trilhões.

BC: Saldo do crédito ampliado ao setor não financeiro alcançou R$14,6 tri (147,6% do PIB), decrescendo 1,3% no mês de janeiro. Segundo o Banco Central, a queda se deve principalmente à redução dos títulos de dívida pública em -3,3%. Na comparação interanual, no entanto, o crédito ampliado cresceu 8,2%, prevalecendo as elevações da carteira de empréstimos do sistema financeiro nacional, 13,9%, e dos títulos de dívida, 8,1%.

Estados Unidos

O Índice de Preços de Consumo Pessoal (PCE) teve alta de 0,6% MoM (5,4% YoY) em janeiro, resultado abaixo da expectativa de mercado, cuja projeção era de avanço de 1,0%, embora tenha acelerado significativamente frente ao resultado de dezembro, que foi de 0,2%. O resultado foi impactado em grande medida pelo crescimento de 2% MoM dos preços de energia, que retomaram trajetória de alta após apresentarem arrefecimento nos meses finais de 2022, assim como as altas de 0,6% nos bens industriais e serviços, e de 0,4% nos alimentos.

Já a renda pessoal do país avançou 0,6%, resultado que embora tenha ficado abaixo da expectativa de mercado, representou um avanço expressivo frente ao resultado do mês anterior, desempenho que já era esperado uma vez que, de acordo com os dados do Payroll do mês de janeiro, houve aumento significativo do número de trabalhadores no mercado norte-americano.

Leia mais conteúdos como este!

Terça-feira

Pnad contínua

A taxa de desemprego no Brasil caiu para 9,3% no ano passado, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados nesta terça-feira (28). O resultado anual é o menor desde 2015.

A taxa de desocupação chegou a 7,9% no trimestre encerrado em dezembro de 2022, um recuo de 0,8 ponto percentual em comparação com o trimestre de julho a setembro, que foi de 8,7%.

Comentário CM: O dado divulgado hoje consolida o processo de recuperação do mercado de trabalho observado ao longo de 2022. A taxa média anual foi de 9,3%, recuando 3,9 p.p. em relação ao resultado de 2021, quando marcou 13,2%.

O mercado de trabalho brasileiro não somente se recuperou da queda observada ao longo do período de pandemia, como também já supera os níveis pré-covid, sendo o atual patamar de taxa de desemprego o menor da série desde 2015.

Em termo qualitativos, os últimos resultados da pesquisa mostram um avanço positivo, porém ainda marginal. Em relação ao rendimento habitual médio, os últimos dados vêm mostrando recuperação. Nas três últimas divulgações, observa-se um avanço de 2,9%, 3,0% e 1,9%, respectivamente, porém ainda inferior em relação ao pico da série histórica do indicador, que foi vista em 2014.

Já a queda no número de desalentados permite inferir que há uma retomada da população no mercado de trabalho que outrora estivera fora da força de trabalho. A recuperação do mercado de trabalho ocorre em função do crescimento do setor de serviço. Fato este que fica evidente quando se analisa os dados da Caged, que mostram que o setor é o principal responsável pela criação de empregos formais no Brasil ao longo de 2022.

Dessa forma, com a perspectiva de uma desaceleração do crescimento de serviços em 2023, por conta da política monetária contracionista do Banco Central, pode-se esperar que a recuperação robusta vista no mercado de trabalho ao longo do ano anterior não se mantenha no decorrer desse ano.

Segundo as últimas projeções do mercado, a taxa de desocupação deve crescer marginalmente ao longo de 2023, encerrando o ano no patamar de 8,7%. Caso esse cenário se concretize, devemos ver uma perda na melhora qualitativa do emprego, com a volta no aumento do número de desalentados e trabalhadores informais.

BC: Resultado primário do setor público consolidado foi superavitário em R$ 99 bi em janeiro

Em janeiro de 2022, o superávit foi de R$101,8 bilhões. Segundo ainda o Banco Central, o Governo Central e os governos regionais registraram superávits respectivos de R$ 79,4 bilhões e de R$ 21,8 bilhões, e as empresas estatais, déficit de R$ 2,2 bilhões. Em doze meses, o setor público consolidado obteve superávit de R$ 123,2 bilhões, equivalente a 1,24% do PIB e 0,04 p.p. inferior ao superávit registrado em 2022.

BC: Dívida bruta do Governo Central atinge 73,1% do PIB em janeiro

A dívida envolve o Governo Federal, INSS e governos estaduais e municipais e o resultado alcançado em janeiro representa redução de 0,3 p.p. do PIB em relação ao mês de dezembro. Essa evolução no mês passado decorreu, de acordo com o Banco Central, do efeito da variação do PIB nominal (redução de 0,6 p.p.), dos resgates líquidos de dívida (redução de 0,3 p.p.), do efeito da valorização cambial (redução de 0,1 p.p.) e dos juros nominais apropriados (aumento de 0,7 p.p.).

Governo decide retomar impostos federais sobre combustíveis

O Ministério da Fazenda informou que o Governo Federal irá retomar a cobrança de impostos federais sobre os combustíveis a partir de 1º de março quando expira o prazo da desoneração determinada por medida provisória editada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

A modelagem da cobrança, com porcentual definido sobre cada item ainda não foi informada, mas a pasta garantiu que a arrecadação será recuperada em 100% com a volta da tributação. As estimativas da equipe econômica apontam para um ganho de R$ 28,88 bilhões para os cofres públicos com a medida.

O fim da isenção dos tributos federais deve aumentar o preço da gasolina em R$ 0,69 e do etanol em R$ 0,24, segundo a associação brasileira dos importadores de combustíveis (Abicom). Mas isso não necessariamente significa que este será o mesmo impacto para o consumidor na bomba.

Quarta-feira

No campo político

O Plenário do Senado aprovou a Medida Provisória 1.138/2022, que reduziu para 6%, desde 1º de janeiro de 2023, o imposto que atinge transações internacionais intermediadas por agências de viagem e demais operadoras de turismo brasileiras. A alíquota em vigor desde 2020 era de 25%. A redução tem por objetivo incentivar a recuperação do setor turístico brasileiro, um dos negócios mais prejudicados durante a pandemia de covid-19. A MP segue agora para promulgação.

Petrobras é 2ª maior pagadora de dividendos do mundo em 2022

O assunto remuneração aos acionistas, 2022 foi um dos melhores para quem investe na Petrobras (PETR4). A estatal foi a segunda maior pagadora de dividendos do mundo no ano passado, tendo distribuído US$ 21,7 bilhões em proventos, mais que o dobro dos depósitos de 2021, que somaram US$ 9,1 bilhões.

Os números refletem uma situação que, na visão da maior parte dos analistas, não deve se repetir neste ano. O volume de dividendos da Petrobras tem sido questionados pelo atual governo desde a eleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A expectativa é de que, a partir de agora, uma parcela maior do lucro da estatal passe a ser destinada a investimentos ou até mesmo a iniciativas para segurar os preços dos combustíveis, no lugar de ser distribuída aos acionistas.

A mineradora australiana BHP (BHPG34) liderou o ranking pelo segundo ano consecutivo, com um crescimento de 8% impulsionado pelos preços do carvão – e apesar da cisão da sua participação na Woodside Petroleum.

Quinta-feira

Pib do Brasil

O PIB caiu 0,2% no quarto trimestre deste ano frente ao trimestre anterior. Com isso, a economia brasileira fechou 2022 com expansão de 2,9%. O PIB, que é a soma dos bens e serviços finais produzidos no Brasil, chegou a R$ 9,9 trilhões em valores correntes.

Na comparação com o quarto trimestre do ano retrasado, o crescimento do PIB foi de 1,9%. Ainda segundo o IBGE, o PIB per capita alcançou R$ 46.154,6 em 2022, um avanço real de 2,2% ante o ano anterior.

A taxa de investimento em 2022 foi de 18,8% do PIB, enquanto o registrado em 2021 foi de 18,9%. Já a taxa de poupança foi de 15,9% (ante 17,4% em 2021). A Agropecuária cresceu 0,3% no trimestre e os Serviços avançaram 0,2%, enquanto a Indústria variou -0,3%.

Novo vírus intercepta transferências via Pix e altera valor e destinatário

Um novo malware (um tipo de vírus), que se instala em celulares Android, tem atacado clientes dos principais bancos brasileiros, como Bradesco, Caixa, Itaú e Nubank — e até a corretora de criptoativos Binance. Ele intercepta transferências via Pix feitas pelos aplicativos das instituições financeiras e altera quem vai receber o dinheiro e até o valor enviado.

Zona do Euro

O CPI da Z. do Euro avançou 0,8% MoM (8,5% YoY) de acordo com os dados prévios de fevereiro, significativamente acima da estimativa de mercado, de 0,5% MoM.

O núcleo do indicador, que exclui o grupo de energia, apresentou inflação ainda mais elevada (1,0% MoM). O único grupo que apresentou deflação no período foi justamente energia (-1,1% MoM).

Todos os demais apresentaram inflação elevada, sendo que a mais modesta foi vista em produtos industriais (0,8% MoM), seguido de serviços (0,9% MoM). O grande destaque negativo foi verificado em alimentos não processados (3,4% MoM).

Sexta-feira

Novo arcabouço fiscal

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse que pretende concluir o novo arcabouço fiscal nesta semana e, então, apresentá-lo ao Ministério do Planejamento e ao presidente Lula.

“Nós vamos essa semana concluir o trabalho na Fazenda, então teremos uma posição e compartilharemos com a área econômica, levando depois ao conhecimento do presidente”, disse Haddad.

Lula prevê crise de crédito para “logo logo” e volta a pressionar BC

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a criticar o Banco Central pela atual taxa de juros e alertou que o Brasil pode sofrer uma crise de crédito “logo logo” se os juros não forem reduzidos pela autoridade monetária.

Lula voltou a dizer que não existe explicação para a taxa de juros de 13,75% ao ano, alegando que não há inflação de consumo no Brasil, e cobrou do presidente do BC, Roberto Campos Neto, a redução da taxa.

“Você não tem crédito. O crédito está escasseando. Logo, logo nós poderemos ter uma crise de crédito, e eu queria uma explicação, apenas, por que que o juro está a 13,75%”, disse Lula, em entrevista ao jornalista Reinaldo Azevedo, da BandNews.

BC libera compra pelo WhatsApp com cartões MasterCard e Visa

O Banco Central (BC) retirou as regras que impediam transações de compra com cartões de crédito, débito e pré-pago por meio do WhatsApp no Brasil, informou a autarquia na quinta-feira (2). Até então, era possível apenas a utilização do aplicativo para transferências de recursos entre indivíduos.

O BC determinou que o início das transações de pagamento por meio do WhatsApp “deve ser comunicado pelos instituidores a todos os participantes de seus arranjos de pagamento com antecedência mínima de 30 dias”, segundo comunicado.

Ministério da Agricultura confirma que caso de vaca louca no Pará é atípico

O Ministério da Agricultura informou nesta quinta-feira, 2, que o caso isolado de encefalopatia espongiforme bovina (EEB), o mal da vaca louca, registrado no Pará em fevereiro foi confirmado como atípico.

O laudo foi fornecido pelo laboratório de referência da Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA), que fica em Alberta, no Canadá. Isso significa que a doença detectada em um animal de nove anos no município de Marabá surgiu de forma espontânea no organismo do animal, sem risco de disseminação no rebanho nem ao ser humano.

O caso foi identificado em 22 de fevereiro, quando o ministério notificou a OMSA sobre a confirmação da doença. Na ocasião, as exportações de carne bovina brasileira para a China foram imediatamente suspensas pelo Ministério da Agricultura de forma voluntária, como prevê o protocolo estabelecido entre os países.

Você também pode se interessar por:

Taxa zero para investir e realizar seus sonhos!

Comece a investir em poucos minutos e tenha acesso a plataformas profissionais gratuitas, plataforma de ensino gratuita, melhor custo-benefício para trader e investidor.
Atendimento via WhatsApp com espera média e de apenas 8 segundos.

Canal de Denuncia

"*" indica campos obrigatórios

Passo 1 de 2

Quando? ( data ou período de ocorrência)
DD barra MM barra YYYY
DD barra MM barra YYYY
Para acompanhar o andamento de seu relato, você receberá um número de protocolo que lhe será fornecido após o registro do relato.
Agradecemos sua iniciativa e confiança. Caso queira, pode inserir seu e-mail, nome e telefone para que possamos entrar em contato

Coleta e uso de informações

Durante a utilização dos nossos serviços, podemos solicitar o fornecimento de algumas informações pessoais, que poderão ser utilizadas para a sua identificação ou para contato, respeitando sempre a sua privacidade. Caso deseje não receber e-mails comercias da CM Capital, entre em contato conosco através dos canais de atendimento.

Faça a sua denúncia

Por favor, preencha o formulário abaixo. A sua denúncia é totalmente anônima.