Blog

Entenda tudo sobre o Retail Liquidity Provider (RLP)!

Desde agosto de 2019, a B3, bolsa de valores oficial do Brasil, passou a oferecer uma nova opção de negociação para as corretoras e seus investidores, chamada Retail Liquidity Provider (RLP). A novidade segue uma tendência dos mercados de outros países, como Estados Unidos, que já oferecem a opção em suas respectivas bolsas de valores.

Mas, afinal, o que é um RLP? Por que inserir mais uma opção no mercado? Qual seria a real vantagem disso? A ideia deste artigo é oferecer um guia sobre a novidade, mostrando como ela se tornou um mecanismo de liquidez para determinados ativos. Continue a leitura!

O que é RLP (Retail Liquidity Provider)?

O Retail Liquidity Provider (RLP), ou provedor de liquidez do varejo, veio para transformar a maneira como são feitas as transações em corretoras de valores. A sua regulamentação data de 2012, quando a Securities Exchange Commission (SEC) tornou legal o seu uso, tanto que, hoje, grande parte dos investidores pessoas físicas negociam os seus investimentos por meio desse mecanismo em bolsas de valores pelo mundo todo.

Basicamente, o seu objetivo é permitir que um intermediador possa oferecer liquidez nas ordens de compra e venda dos seus clientes. Ou seja, o intermediador — que, nesse caso, é a corretora — poderá participar de maneira ativa nas negociações.

É por isso que o RLP não ficará visível no book central de ofertas, podendo ser vista apenas pela corretora que a enviou. Ou seja, o acesso dos investidores só acontecerá quando o negócio for fechado. Caso não se concretize, o RLP será cancelado ao final do dia.

Vale lembrar que o seu valor de mercado sofre ajustes por meio dos sistemas de negociações ligados à bolsa, sendo que isso é feito de maneira contínua, mas também automática.

No modelo tradicional de operações, existem o book de ofertas e as chamadas agressões no book, em que a negociação acontece apenas entre os traders. O RLP será uma oferta que poderá ser usada pelo intermediador no momento de spread do mercado, ou seja, em que há a diferença entre o preço de compra e de venda de ação, título ou mesmo operação pecuniária.

Como o RLP funciona?

No Brasil, o RLP começará funcionando apenas para negociação de minicontratos de índice e minidólar. A ideia é que, posteriormente, a carteira seja ampliada. As operações são feitas, no geral, por robôs da própria corretora, responsável por acompanhar as ordens dos clientes e também por fechar negócio quando as ações atingem determinado valor.

Para que o mecanismo funcione da maneira certa, a corretora precisa disponibilizar uma oferta. Além disso, ela deve manifestar a intenção de compra ou venda de determinada quantidade de ações, sendo que o preço precisa ficar no melhor possível do mercado naquele determinado momento.

No entanto, vale lembrar que, apesar de essa negociação oferecer um preço mais favorável ao cliente, a utilização do RLP se limita a 15% do volume negociado, garantindo benefícios a ele.

A B3 estabelece algumas regras nesse sentido, dando o direito ao cliente de sair desse mecanismo quando desejar:

  1. a opção de ser contraparte de uma oferta RLP deve estar disponível para os clientes de varejo exclusivamente sob a forma de mecanismo de opt-in, mediante o qual o cliente, por meio de prévia e expressa declaração, manifesta sua concordância com a sistemática de utilização da oferta em questão;
  2. a necessidade de manifestação prévia e expressa aplica-se tanto para novos clientes — por ocasião da abertura da conta ou por adesão a posteriori ao mencionado serviço — como para clientes já cadastrados, sendo que a manifestação favorável não pode ser condição para abertura, manutenção da conta ou prestação de serviços de intermediação de valores mobiliários, inclusive aqueles autorizados para negociação por meio das ofertas RLP;
  3. é vedada aos intermediários a atuação como contraparte em uma oferta RLP dos clientes que não tenham se manifestado pela utilização do serviço, na forma mencionada;
  4. deve sempre estar disponível a opção opt-out aos investidores que tenham expressa e previamente aderido ao produto RLP.

Quando isso começou a valer?

O sistema de RLP começou a operar em 05/08/2019, inicialmente para um período de testes de 12 meses. Hoje, o modelo da corretora como contraparte das negociações continua operando, mas ainda não houve a expansão para outros ativos. Isto é, a operação está restrita aos minicontratos de dólar (WDO) e de índice (WIN).

Os impactos do RLP sobre o mercado

O RLP é um modelo utilizado para aumentar a liquidez do mercado. Não por acaso, pode ser traduzido como “Retail Liquidity Provider”. Na prática, o recurso melhora aspectos importantes das transações.

Em primeiro lugar, a probabilidade de encontrar compradores ou vendedores no preço desejado aumenta. Antes, quem emitia a ordem dependeria de outro investidor interessado, enquanto agora se soma a chance de a corretora negociar o ativo.

No mercado, o RLP vem justamente minimizando o risco, pois a corretora se torna um agente importante para conceder liquidez aos ativos. Um ponto interessante é a participação RLP no volume de negociações. Veja os percentuais máximos de negociação permitidos nos últimos três meses, segundo a B3:

  • janeiro de 2021
  • WIN: 32%;
  • WDO: 38%.
  • fevereiro de 2021;
  • WIN: 32%;
  • WDO: 38%.
  • março de 2021;
  • WIN 32%;
  • WDO 40%.

A tendência, portanto, é de uma avaliação bastante positiva do modelo e de grandes possibilidades de ampliação para outros ativos no futuro.

Quais são as suas vantagens?

Uma das principais vantagens do RLP é justamente a sua capacidade de elevar a liquidez do mercado. Mas o que isso significa? A facilidade com a qual um ativo poderá ser convertido no entremeio de uma troca econômica ou, de forma mais clara, a facilidade com a qual ele é transformado em dinheiro. Para isso, é considerada a agilidade de conversão de um investimento sem que ele perca um valor significativo no processo.

Além da liquidez, outra vantagem é em relação ao preço, que é melhor. Logo, a corretora garantirá ao cliente a manutenção ou mesmo melhora no preço de execução do ativo em relação à oferta anterior do mercado. Consequentemente, isso facilita o cálculo de impostos, por exemplo.

A taxa de corretagem é um valor cobrado pelas corretoras em relação às operações de venda e compra de ativos que são executadas na bolsa de valores. Assim, sempre que alguma transação é realizada, uma taxa é cobrada. Quando opta pelo Retail Liquidity Provider, o cliente da CM Capital e.PLUS tem a taxa de corretagem ‘zerada’ para WDO.

Ainda temos o fato de que o RLP ajuda no fortalecimento do mercado. Isso porque ele já é usado em algumas das maiores bolsas de valores do mundo. Tal fator é determinante para a maturidade e também para a maior liquidez das negociações realizadas, o que é outro benefício, visto que o país entra no hall de desenvolvimento no que diz respeito ao investimento.

Exemplos práticos de aplicação do RLP

Um caso prático para entender as vantagens do RLP são as ordens de compra de WDO e WIN. Considere cinco ordens de compra no valor 100.000 pontos — que, na ocasião, seria o preço de mercado previsto no book de ofertas.

Se houverem menos de cinco vendedores por esse valor, você começaria a ter dificuldades de liquidez. Logo, talvez tenha de recorrer a uma oferta menos vantajosa caso deseje concretizar todas as operações planejadas.

A proposta do RLP é que, ao identificar essa ordem de compra, a corretora atue como contraparte, garantindo o melhor preço do mercado. Portanto, seria possível concluir as cinco operações sem arcar com os prejuízos da falta de liquidez.

Uma analogia pode ser feita com os imóveis. Imagine que uma casa está à venda por R$ 500.000. Se o vendedor não encontrar compradores, o gesto natural é aceitar ofertas menores, caso a venda seja uma necessidade. Nesse sentido, o RLP aumenta as chances de liquidez e evita esse tipo de prejuízo.

Perceba que o mecanismo traz vantagens adicionais. A liquidez, por exemplo, é bastante desejada pelo day trader, que pode otimizar seus ganhos com decisões rápidas de compra e venda, aproveitando as oportunidades e oscilações de momento.

Também é uma garantia de flexibilidade nos investimentos, podendo ajustar a carteira de acordo com o cenário. E, no caso do pequeno investidor, muitas vezes é uma segurança de que será possível retirar os recursos diante de emergências ou dificuldades financeiras.

Por que aderir ao Retail Liquidity Provider (RLP)?

Imagine que você atue como trader. Se você executa operações de ativos com a compra e venda feita em curtíssimo prazo, não aderir ao RLP é perder oportunidades. Afinal, você não perderá dinheiro, pois o preço de execução precisa ser melhor ou igual ao praticado no mercado.

Vale lembrar que, entre as regras impostas para a aderência, está a necessidade de que o cliente se manifeste previamente, o que vale tanto para aqueles indivíduos já cadastrados, quanto para os novos. Assim, a corretora não pode definir a participação no RLP como critério para que o cliente possa começar a operar. O RLP é válido nesse momento para WIN e WDO e em breve novos produtos podem compor essa lista.

Por isso, é muito importante que você esteja atento às novidades. A ideia é acompanhar as movimentações, afinal, o RLP é uma novidade no país, mas que promete trazer muitos benefícios para as negociações do dia a dia dos investidores.

Viu só? Vale a pena buscar uma corretora que disponibilize o serviço de RLP na plataforma de investimentos. Aqui na CM Capital, você pode realizar a ativação gratuita e contar com taxa zero de corretagem. Logo, consegue ter uma excelente liquidez nos contratos de WIN e WDO sem pagar a mais por isso. Entre em contato com os nossos especialistas e aproveite a margem reduzida de R$25,00 por contrato de WIN e WDO!

Retail Liquidity Provider (RLP)

Você também pode se interessar por:

Abra sua conta online e grátis